Resultados para: exames

Meus Exames e Sintomas

 photo images-3_zps8e0c008e.jpg
Olá amiguxas fofas ontem fiz os exames, no laboratório pelo SUS graças a Deus quase não o faço pois não estavam aceitando meu cartão do SUS (por causa do sistema mesmo)comecei a orar e graças  a Deus tudo certo só precisei pagar um foi dez reais, o resultado dia 25 rapidinho né se eu tivesse feito isso antes como me arrependo, fui dar a uma amiga pra marcar e até hoje ela não me deu nenhum satisfação desde dezembro, mais Deus é fiel. 
No dia da consulta falei com a medica que tava descendo liquido, com corrimento sem cheiro ela me falou que era normal mais pediu pra eu marcar uma ginecologista (minha Go só em fevereiro) tava nervosa  pois podia ser o liquido amniótico mais li na net que é normal, mas vou na Go claro e sempre observando claro por que qualquer coisa vou correndo pra uma Go qualquer rs.E fim do mês estarei fazendo minha USG que da também pra saber direitinho.
Compartilhando sobre:

Perdas Vaginais:
Você  poderá notar neste período, perdas vaginais líquidas e de aspecto leitoso, e que são normais durante toda a gravidez.
Portanto não são motivo de preocupação. Mas fique atenta para qualquer alteração que possa ocorrer em seu aspecto,
como cor (amarelada ou esverdeada), odor desagradável, coceira ou queimação. Neste caso, não hesite em procurar seu ginecologista,que lhe indicará a terapia a ser seguida.


Compartilhe este post
Pin It

Ser mãe é um dos principais desejos de algumas mulheres, talvez da maioria! Tentar engravidar pode ser muito simples ou muito difícil, dependendo do caso. Mas o que fazer quando as tentativas não funcionam? Será que estou tentando do jeito certo? Por quanto tempo devo tentar? Será que sou infértil?
Calma!
Esse é o assunto hoje aqui no blog mãe de duas! Ainda tem dúvidas? Dr. Bruno Jacob fala um pouco mais sobre infertilidade para você.

Causas da Infertilidade

Causas da Infertilidade

A infertilidade é um problema muito comum no mundo! Acomete 10 a 15% de todos os casais.
Dentre as principais causas estão o tabagismo e idade avançada. Mas cada caso deve ser pesquisado minuciosamente.

“Doutor, estou tentando. Quando eu devo procurar ajuda médica?”
O comitê americano de reprodução define infertilidade como 1 ano de relação sexual, 2 a 4 vezes por semana, sem qualquer método contraceptivo.

Uma vez definida a infertilidade, inicia-se uma complexa busca pela causa, a avaliação inicial é com espermograma do marido e dosagens hormonais e ultrassom nas mulheres.
*É muito importante que se entenda que a infertilidade é conjugal, ou seja, marido e mulher devem ser investigado. Sabe-se que 35% de todos os casais com infertilidade, não conseguem engravidar por questões masculinas. Os outros 65% são as causas femininas, e se dividem em várias causas:

Causas possíveis para a infertilidade

-Idade
-Miomas
-Malformações uterinas.
-Uso de algumas medicações
-Ovários policísticos.
-História de radioterapia
-Tabagismo
-Drogas ilícitas
-Curetagem uterina anterior
-Histórico de doença inflamatória pélvica
-Menopausa precoce
-Diabetes
-Pólipos
-Sinéquias

O diagnóstico é difícil e complexo, pois cada fator de risco deve ser estudado e levado em consideração.
O exames iniciais são dosagem hormonal e ultrassonografia. Outros exames como histerossalpingografia ajudam a identificar causas como malformações uterinas
E o tratamento varia de acordo com a causa, ou seja, se a causa é mioma, trate o mioma, se a causa é tabagismo, pare de fumar. Além disso existem ainda as técnicas de fertilização assistida e os indutores de ovulação, mas para cada caso é um tratamento diferente!
.
Procure um especialista!
.
Por Dr. Bruno Jacob

Instagram: @drbrunojacob
www.facebook.com/drbrunojacob

PLACA


Comentários
0
Compartilhe este post
Pin It

O vírus mayaro conheça mais sobre

Uma alerta para as mamães estive lendo uma  noticia de um vírus mayaro, que infelizmente é verdade não basta ter a dengue,depois, a zika e a chikungunya, agora temos também o  vírus. Se não bastassem essas doenças que deixam os brasileiros em estado de alerta, e que deixam seqüelas, agora outro vírus vem agora dando sinais de preocupação até para cientistas.

VÍRUS MAYARO

Transmissor do vírus mayaro

O vírus mayaro, identificado pela primeira vez em 1954, existia, a princípio, em regiões silvestres aos redores da Amazônia. Os microrganismos também lutam pela sobrevivência de suas respectivas espécies. Não é um vírus novo!

O grande problema é que o vírus, possivelmente, tenha se adaptado. Antes, era transmitido por mosquitos vetores silvestres e, agora, pode ser passado por mosquitos urbanos já espalhados pelo mundo: o Aedes aegypti, principalmente, e o Aedes albopictus. Se isso se confirmar, há muitas razões para se preocupar, uma vez que o Aedes está presente em todo o território nacional. O vírus provoca uma doença semelhante à chikungunya, a febre do vírus mayaro.

Nas, nas últimas semanas, pesquisadores da Flórida o identificaram no Haiti, em um menino de 8 anos, com febre e dores abdominais. Concluiu-se, então, que este pode estar se espalhando pelo continente.

Os médicos tiveram dificuldade para diferenciá-las. O diagnóstico exato é feito apenas por exames laboratoriais específicos. No menino de 8 anos do Haiti, por exemplo, suspeitou-se, inicialmente, de dengue ou chikungunya. Mas os testes deram negativo e o de mayaro, positivo.

Quais os sintomas da Febre do vírus Mayaro?

Os sintomas  são muito parecidos com os da dengue e/ou chiKungunya. Começa com uma febre inespecífica e cansaço, sem outros sinais aparentes. Logo após podem surgir manchas vermelhas pelo corpo, acompanhadas de dor de cabeça e dores  nas articulações. Os olhos podem também ficar doendo e em alguns casos reporta-se intolerância à luz. São sintomas muito parecidos e por isso a febre do Mayaro pode ser facilmente confundida com dengue ou com chikungunya. No entanto, no Mayaro as dores e o inchaço das articulações podem ser mais limitantes e durar meses para passar.

Como saber se é dengue, zika, Mayaro ou chikungunya?

Pelo quadro clínico pode ser difícil diferenciar. Só os exames laboratoriais específicos é que podem apontar o diagnóstico correto. No menino de 8 anos do Haiti suspeitou-se inicialmente de dengue ou chikungunya. Mas os testes vieram negativos e o de Mayaro confirmou ser positivo.

Já foram confirmados casos de febre do Mayaro no Brasil?

Sim. Entre dezembro de 2014 e junho de 2015 foram confirmados 197 casos  de febre do Mayaro nas regiões Norte e Centro-Oeste, com destaque para os estados de Goiás, Pará e Tocantins. Todas estas pessoas moravam ou estiveram em área rural, silvestre ou de mata por atividades de trabalho ou lazer. O Estado de Goiás registrou 66 casos até fevereiro de 2016 e o Datasus não possui mais dados atualizados deste ano. Importante salientar que no Brasil a transmissão desta doença limitou-se a regiões de mata. Não há relatos, até o momento, de transmissão urbana.

 

Fonte: http://g1.globo.com/


Comentários
0
Compartilhe este post
Pin It

Disidrose em Bebê Como Tratar

A semana passada recebi a noticia da dermatologista que minha caçula estava com Disidrose,  nunca tinha ouvido falar sobre, ela relatou que era ansiedade emocional e me passou uma poma e anti alérgico farei o uso por 10 dias e voltar na médica para fazer exames para saber direito o que é isso realmente, no inicio fiquei em choque e depois desesperada, agora lendo e colocando a cabeça no lugar estou procurando entender mais sobre isso e vendo como proceder.

O que é disidrose

É caracterizada pelo aparecimento de erupções cutâneas de caráter reincidente. São formadas vesículas, isoladas ou confluentes (aglomeradas), com conteúdo viscoso. Entende-se por vesículas, lesões da pele de conteúdo líquido, com até um centímetro de diâmetro. Acima de um centímetro são chamadas de bolhas. As lesões acometem, exclusivamente, as mãos e os pés. Comida contaminada (estragada) ou água contaminada são casos bem comuns em crianças de 08 a 15 anos.
Quando o líquido sofre ressecamento, formam-se crostas e, quando as lesões evoluem, formam-se escamas. Portanto, conforme a fase evolutiva da disidrose, será observada a presença de vesículas, crostas ou escamas.
O desconforto gerado pelas lesões é extremamente variado, embora a coceira (prurido) seja uma queixa frequente.
A disidrose pode ser completamente assintomática, coçar pouco, coçar intensamente, apresentar ardor quando há fissuras na pele, e assim por diante.
disidrose
Causas
 
Infecções fúngicas, como algumas micoses cutâneas podem se manifestar com lesões disidrosiformes.Nesse caso, o fungo está presente dentro das vesículas.
A disidrose pode apresentar-se também desabitada (isto é, sem fungos), mas que está à certa distância de um foco primário (outro tipo de lesão) habitado por fungos. Pacientes com micoses nas unhas dos pés ou nos espaços entre os dedos (“frieira”) e que apresentam disidrose nas mãos, como consequência desse foco. Uma vez curada a infecção no pé, as lesões de disidrose das mãos desaparecem automaticamente e sem necessidade de tratamento.
A dermatite de contato também é um fator de relevância.
Trata-se de um quadro provocado por substâncias que, em contato com a pele, por mecanismos alérgicos ou simplesmente por irritação, pode desencadear a erupção.
A disidrose é um padrão individual de reação. Ou seja, uma pessoa desenvolve uma dermatite de contato por um determinada substância e apresenta lesões disidrosiformes. Já uma outra pessoa, em contato com a mesma substância, desenvolve uma dermatose completamente diferente, que não a disidrose.
Não é a natureza da substância de contato que determina se a lesão é ou não disidrose e sim o padrão de reação de cada pessoa.
A dermatite atópica, uma doença inflamatória crônica da pele, de causa desconhecida e frequentemente associada à bronquite asmática e à rinite alérgica, se manifesta por diferentes tipos de lesões, sendo que a disidrose pode ser uma manifestação comum da dermatite a tópica.
Também o estresse e alterações emocionais são citados frequentemente como causa de disidrose.
Tratamento
As formas terapêuticas da disidrose variam conforme a causa. Um problema é a dificuldade para se detectar com precisão a verdadeira causa da disidrose. Algumas vezes, mesmo quando identificada a causa, sua eliminação é difícil ou até mesmo impossível, como no caso dos fatores emocionais. Dependendo da causa, o tratamento é medicamentoso.

É essencial a avaliação médica para realização do tratamento adequado.


Compartilhe este post
Pin It