O Puerpério pouco falado

 Puerpério o que não te contaram
Você se preparou para a gestação, tentou por um ano, ficou grávida por 9 meses, passou horas e até dias em trabalho de parto…mas, o que vem depois do parto? Quais cuidados devem ser tomados? O que pode e o que não pode acontecer?
Hoje o Dr. Bruno Jacob traz para você, aqui no blog Mamãe de Duas, mais informações sobre esse momento pouco falado para as mamães, o puerpério!
O PUERPÉRIO

O Puerpério pouco falado

 

O puerpério engloba todo o período pós-parto e todas as alterações do corpo da mulher, deixando de ser uma gestante, se tornando uma lactente e voltando ao seu estado inicial!
Esse período começa logo após a saída da placenta e dura aproximadamente 6 a 8 semanas.

Assim como o corpo da mulher muda na gravidez, alterações também ocorrem durante o puerpério, vamos ver quais são?

-Útero: Primeiramente o útero deve voltar ao seu estado inicial, ele faz isso através de intensas contrações
O ideal é que ele esteja bem durinho e na altura do umbigo logo após o parto e diminua 1cm por dia até voltar ao seu tamanho normal. Isso ocorre para contrair os vasos que irrigavam a placenta e evitar que a mulher sangre demais!
-Sangramento: O sangue que sai da vagina após o parto pode durar até 10 dias, ele recebe o nome de loquiação e se inicia com uma cor vermelho rubro, vai diminuindo de intensidade e se tornando mais claro com o passar do tempo.
-Cólicas: A medida que o útero vai contraindo e involuindo as mamães podem experimentar fortes cólicas! Elas são mais intensas nas mamães que amamentam, pois a sucção do seu nenê libera o hormônio da ocitocina, o mesmo que faz as contrações no trabalho de parto, lembra?
-Mamas: O colostro começará a ser produzido, assim como todo o leite que alimentará seu bebe, logo, suas mamas ficarão cada vez maiores e mais túrgidas.
-Intestino: Acredite, seu intestino voltará a funcionar normalmente depois que seu nenê nascer, as fezes ficarão menos ressecadas como antes da gestação!
-Varizes: Assim como as hemorróidas, as varizes desaparecerão, toda sua circulação vai aos poucos voltando ao normal! O inchaço nos pés também diminui!
-Psicológico: Sim! A gravidez é um momento de alegria. Não! Não é raro se sentir triste nessa fase.
A depressão pós-parto atinge cerca de 2 milhões de puérperas todos os anos no Brasil! Os sintomas variam entre os casos, em algumas pacientes pode ocorrer até a chamada “psicose puerperal”, na qual a vida da mãe, e até do seu bebê, estão em risco. O acompanhamento médico e psicológico é imprescindível!
-Cicatrização: A cesárea, assim como alguns partos normais, necessitam de alguns pontos no local da incisão. A cicatrização pode ser mais rápida em algumas e mais demorada em outras, o ideal é estar atenta a higiene do local!
-Pele: As hiperpigmentações do rosto, abdome, mamas e vagina vão aos poucos diminuindo até sumirem! Procure um dermatologista caso sua pele continue com essas manchinhas indesejáveis!

DICAS IMPORTANTES SOBRE O PUERPÉRIO

Alguns cuidados são necessários, os médicos costumam passar essas informações no final do parto ou no momento da alta, mas algumas mamães estão exaustas, outras estão apenas de olho no seu nenê e acabam não prestando atenção! Tudo bem, aqui no curiosidades de mãe nós repetimos algumas delas pra vocês!

 – Caminhe bastante: Se eu tivesse que dar só uma dica sobre o puerpério seria essa! Caminhe bastante! Isso ajuda a diminuir o inchaço, a circular aqueles vasos da perna que podem formar trombos, melhora as varizes! Ou seja, não fique deitada!
*BÔNUS: Se necessário, use meias elásticas.
– Amamente: Além de ser uma ótima fonte de alimento para seu bebê, o aleitamento libera ocitocina, hormônio do bem-estar, prevenindo o quadro de depressão pós-parto além, é claro, garantir a contração efetiva do útero!
– Beba muito líquido e se alimente bem: Além de você estar exausta do parto, você perdeu muito sangue!
-Higiene: Principalmente para aquelas que tiveram a episiotomia. Por ser uma região contaminada, deve-se ter um cuidado especial com esses pontos!
E você achando que só a gravidez dava trabalho, não é mesmo?
Na dúvida fale com seu médico!
Por Dr. Bruno Jacob

Instagram: @drbrunojacob
www.facebook.com/drbrunojacob

PLACA


Comentários
0
Compartilhe este post
Pin It

depressão pós-parto

Olá mamães vamos falar sobre depressão pós-parto.

Acabou a espera, após nove meses você viu o rostinho do seu filho, e esse nenê é algo que você e seu marido sempre sonharam!
Você está radiando de tanta felicidade correto?
Errado!
Estou depressiva, triste, não quero amamentar e não tenho vontade de ver meu filho! O que está havendo comigo?
Hoje aqui no blog mamãe de duas vamos falar sobre esse estranho quadro médico que é a depressão em um momento tão feliz!

DEPRESSÃO PÓS-PARTO

Depressão pós-parto

A depressão pós-parto entenda o que é

A depressão puerperal é mais comum do que se imagina, ela atinge 2 milhões de mulheres no Brasil todos os anos.
É uma doença como qualquer outra e ocorre basicamente por conta das alterações hormonais, além de desgastes físicos e emocionais.

Os fatores de risco variam, os principais são:

História de depressão pós-parto anterior
Falta de apoio da família, parceiro e amigos
Estresse
Limitações físicas anteriores ou após o parto
Depressão durante a gravidez
Depressão anterior
Transtorno bipolar
História familiar de depressão ou transtorno bipolar
História de desordem disfórica pré-menstrual.

Os sintomas incluem:

Perder ou ganhar peso
Desinteresse nas atividades diárias.
Vontade de comer mais ou menos do que o habitual
Dormir muito ou não dormir o suficiente
Inquietação ou indisposição
Cansaço
Sentimento de indignação ou culpa
Dificuldade para se concentrar ou tomar decisões
Ansiedade e excesso de preocupação.

Em alguns casos muito graves, podem ocorrer a psicose puerperal, e dependendo dos sintomas a mãe é orientada a ficar afastada do seu filho enquanto está tratando, e a amamentação acaba sendo contraindicada.

É importante a mãe saber que depressão puerperal não é sinônimo de fraqueza ou falta de carácter, mas sim uma doença que necessita de ajuda médica e tratamento adequado. Assim que os sintomas desaparecem a mãe volta a experimentar todos os prazeres da maternidade normalmente.

Por isso busque sempre ajuda médica.
Por Dr. Bruno Jacob

Instagram: @drbrunojacob
www.facebook.com/drbrunojacob

PLACA


Comentários
1
Compartilhe este post
Pin It

Essa apresentadora vai te surpreender com sua carta sobre o por que trabalhar fora com uma resposta simples e ao mesmo tempo poderosa

A apresentadora Susan Keogh trabalha em uma emissora irlandesa de rádio e TV e foi insultada por um telespectador, que questionou como ela podia ter um emprego em tempo integral e cuidar da filha de4 anos. Ela podia ter ignorado, como a maioria faria, mas resolveu fazer melhor.

Resposta poderosa sobre por que trabalhar fora de casa

Susan postou uma carta aberta para o homem no twitter e recebeu muito apoio. A tradução livre da carta está abaixo. Para agradecer as mensagens positivas, ela publicou uma foto com a filha.

TRABALHAR FORA

“Caro,

Eu recebi sua mensagem. Aquela que você fala que eu estou perdendo tempo com a minha filha de 4 anos enquanto estou trabalhando e que, por isso, eu tenho que pedir demissão. Como eu nunca tinha pensado nisso? Obrigada pela ajuda.

Eu trabalho por muito motivos. Eu gosto do meu trabalho. É muito importante pra mim. Não só salvar vidas que é importante. Meu trabalho me faz feliz e realizada. Isso faz de mim uma mãe melhor.

Eu trabalho de segunda a sexta. São 5 dias que minha filha passa na escola. Eu não estou em casa quando ela vai para a cama na maioria das vezes. Sabe quantas pessoas me julgam por isso? Muitas.

Meu marido não está em casa quando elas acordam. Ele sente falta disso, mas sabe quantas pessoas o julgam? Nenhuma.

Se eu me sinto culpada? Todos os dias. Às vezes, umas 10 vezes por dia. Mas eu trabalho para garantir um futuro melhor para minha filha. Então, quando ela tiver 16 anos e pedir para viajar com a escola eu vou poder dizer sim. Claro que eu vou ficar com medo e preferir que ela fique em casa, mas ela vai poder ir para viagem, certo? Certo!

Também pode ser que ela queira ser uma ‘flower lady’ quando crescer, mesmo que eu não saiba se isso quer dizer vender flores ou apenas se vestir com elas. Eu não me importo. Eu não tenho uma carreira para mostrar para ela que ela pode ter uma também. Ela pode fazer o que for melhor pra ela.

Eu quero mostrar pra ela que ela pode fazer o que ela quiser. Quero que ela seja confiante o bastante para fazer as melhores escolhas pra ela. “Eu quero que ela escolha a felicidade.”

Fonte: https://goo.gl/8Fb5LQ


Comentários
0
Compartilhe este post
Pin It

A importância da amamentação

A importância de Amamentação o seu bebê
.
Tão importante quanto engravidar da maneira saudável e manter a gravidez de maneira saudável, é amamentar de forma correta!

amamentação

A importância da amamentação

Muitas mães ainda tem dúvidas quanto a técnica correta, tabus, tempo adequado e importância da amamentação!
Hoje, você vai tirar todas suas dúvidas aqui no blog Mamãe de duas, junto com Dr. Bruno Jacob, a respeito de tudo, e mais um pouco, sobre o aleitamento materno!
.
A OMS preconiza que os profissionais da saúde passem informações valiosas para as pacientes a respeito do aleitamento, assim como os benefícios do leite materno, vamos ver quais são?:

-Alimento completo: atende todas as necessidades de nutrientes até os 6 meses

-Fácil digestão: Evita cólicas nos nenes.

-Reforça imunidade: Fortalece sistema imunológico, previna alergias, obesidade e intolerância ao glúten.

-Fortalece vínculo mãe e filho

-Dentinhos saudáveis: a sucção ajuda no desenvolvimento da arcada dentária no nene.

-Puerpério: Evita o sangramento excessivo no pós-parto.

-Pratico, grátis e natural.

-Previne asma, artrite e doenças do trato gastrointestinal.

-Bem estar: Amamentar libera na mãe o “hormônio do amor”

-Previne anemia

Outra informação importante, que deve ser passada às mães, é a técnica correta do aleitamento. Existe toda uma maneira certa na hora de amamentar, isso inclui fatores tanto da mãe quanto do bebê e as mulheres devem estar atentas a tudo isso! Vamos à elas:

Posicionamento do bebê:
– Rosto do bebê de frente para a mama
– Nariz encostado no mamilo
– Cabeça e tronco alinhados
– Corpo do bebê próximo ao da mãe
– Pescoço do bebê levemente extendido
– Corpo do bebê bem apoiado pelas mãos da mãe

Agora veja como deve ser a “pega” do seu bebê:
-Boca bem aberta pegando todo mamilo
-Lábio inferior evertido
-Queixo tocando a mama
-Movimentos de deglutição visíveis

Fique atenta para sinais de “pega” incorreta.
-Bochechas encovadas
-Ruídos de lingua
-Dor na amamentação
-Mama esticada ou deformada.

Agora que você sabe os benefícios de amamentar e como amamentar, você não tem mais dúvidas certo? ERRADO!!!!
Ok! Então vamos ver a seguir as dúvidas mais frequentes que surgem no consultório a respeito do aleitamento materno!

1. É verdade que algumas mamães tem pouco leite?
Ter pouco leite é um mito comum. Na maioria dos casos a pouca produção de leite está relacionada a erro da técnica ou baixa frequência das mamadas. Afinal, a estimulação da sucção do bebê no mamilo é responsável por produzir a prolactina, logo, quanto mais você oferecer o peito ao seu filho, mais leite produzirá

2. Dr. estou achando que meu leite é fraco?
Outro mito. O aspecto translúcido do leite no início da mamada pode ser interpretado como ausência de substâncias nutritivas se comparado com o aspecto do leite de vaca. Mas isso não é verdade. O aleitamento materno exclusivo garante o desenvolvimento adequado para o bebê.

3. Dr. devo dar um ou os dois peitos?
O ideal é oferecer um peito ao nenê e esperar que ele mame todo leite armazenado, em seguida oferecer o outro peito. O leite do final da mamada é mais consistente e possui nutrientes que o leite inicial não oferece.

4. Os remédios que eu tomo vão passar para o bebê no leite?
Nem todos. A OMS possui uma classificação de medicações permitidas e contraindicadas durante o período de amamentação

Se ainda tiver dúvidas converse com seu médico ou mande um email para drbruno@consultoriojacob.com que ela pode aparecer aqui no blog ser mãe!
.
Por Dr. Bruno Jacob

Instagram: @drbrunojacob
www.facebook.com/drbrunojacob

PLACA


Comentários
1
Compartilhe este post
Pin It