Resultados para: amamentação

Desmame e Amamentação Prolongada

Desmame Gradual e Amamentação Prolongada

Desmame
Mês que vem  finalizo o desmame da Gabi,sempre fui uma pessoa bem independente, e bem decidida se tomasse uma decisão  eu sempre ia até o fim, assim era a minha vida, mas me deparei em uma difícil situação o desmame da minha caçula mês que vem ela faz 2 anos e vai ser mas uma fase indo embora, era o que queria e já estava terminada, mas um pensamento me tomou “não teremos mais essa ligação” e isso começou a martelar em minha cabeça então me veio a conclusão de que eu e a pequena teríamos que está pronta e não só ela.

Porque manter a amamentação prolongada

No segundo ano de vida, 500 ml de leite materno proporciona à criança:
95% do total de
vitamina C necessária;
45% do total de
vitamina A necessária;
38% do total de
proteínas necessárias;
31% de calorias
necessárias.
Crianças amamentadas têm benefícios a longo prazo
Crianças amamentadas têm benefícios imunológicos
Crianças amamentadas são mais espertas
Crianças amamentadas são mais ajustadas socialmente

As mães que amamentam, por mais tempo, têm benefícios, pois o leite materno é capaz de:

Contribuir para a saúde da mulher, reduzindo os riscos de doenças;
Proporcionar satisfação á maioria das mulheres
.
O aleitamento materno pode atrasar em muitos meses o retorno da menstruação e da ovulação em
algumas mulheres;
Através da amamentação, a mãe recebe uma resposta  de afeto do filho e nos transmite uma sensação de bem estar. Os sorrisos dela, as carícias e o relaxamento do seu corpo, tudo isso ajuda a tornar a experiência da amamentação mais agradável para o seu filho.O contato da pele entre mãe e filho, estimula a harmonia que pode
aumentar os sentimentos maternais.

A amamentação reduz os riscos para certos tipos de câncer:

–  câncer do ovário,
–  câncer do útero;
–  câncer do endométrio;
–  câncer da mama;

Para as crianças

A amamentação não é apenas um alimento, também pode ser o consolo de um choro, na hora da dor, e muita ajuda quando o bebê está dodói e não quer comer nada e é um momento único do seu bebe com a mãe.
Sinais sugestivos de que a criança está madura para o desmame
• Idade maior que um ano
• Menos interesse nas mamadas
• Aceita variedade de outros alimentos
• É segura na sua relação com a mãe
• Aceita outras formas de consolo
• Aceita não ser amamentada em certas ocasiões e local
• Às vezes dorme sem mamar no peito
• Mostra pouca ansiedade quando encorajada a não amamentar
• Às vezes prefere brincar ou fazer outra atividade com a mãe ao invés de mamar
desmame.png

Vantagens do desmame natural

• Transição tranquila, menos estressante para a mãe e a criança
• Preenche as necessidades da criança até elas estarem maduras para o desmame
• Fortalece a relação mãe-filho
• Ajuda a mãe a ser menos ansiosa com relação aos estágios de desenvolvimento de seu filho
Muitas vezes a mulher se depara com a situação de querer ou ter que fazer o desmame antes de a criança estar pronta.

Encorajando o bebê ao desmame

• Mãe segura ao respeito do desmame
• Entendimento da mãe de que o processo pode ser lento e demandar energia;
• Flexibilidade;
• Paciência e compreensão;
• Suporte e atenção adicionais à criança ;
• Fazer o desmame gradual.
O desmame tem que ser feito com a criança pronta, para ela não se sentir rejeitado pela mãe, gerando insegurança e muitas vezes rebeldia. Na mãe,  se não estiver preparada o desmame pode gerar tristeza ou depressão, por luto pela perda da amamentação ou por mudanças hormonais.

 


Comentários
15
Compartilhe este post
Pin It

depressão pós-parto

Olá mamães vamos falar sobre depressão pós-parto.

Acabou a espera, após nove meses você viu o rostinho do seu filho, e esse nenê é algo que você e seu marido sempre sonharam!
Você está radiando de tanta felicidade correto?
Errado!
Estou depressiva, triste, não quero amamentar e não tenho vontade de ver meu filho! O que está havendo comigo?
Hoje aqui no blog mamãe de duas vamos falar sobre esse estranho quadro médico que é a depressão em um momento tão feliz!

DEPRESSÃO PÓS-PARTO

Depressão pós-parto

A depressão pós-parto entenda o que é

A depressão puerperal é mais comum do que se imagina, ela atinge 2 milhões de mulheres no Brasil todos os anos.
É uma doença como qualquer outra e ocorre basicamente por conta das alterações hormonais, além de desgastes físicos e emocionais.

Os fatores de risco variam, os principais são:

História de depressão pós-parto anterior
Falta de apoio da família, parceiro e amigos
Estresse
Limitações físicas anteriores ou após o parto
Depressão durante a gravidez
Depressão anterior
Transtorno bipolar
História familiar de depressão ou transtorno bipolar
História de desordem disfórica pré-menstrual.

Os sintomas incluem:

Perder ou ganhar peso
Desinteresse nas atividades diárias.
Vontade de comer mais ou menos do que o habitual
Dormir muito ou não dormir o suficiente
Inquietação ou indisposição
Cansaço
Sentimento de indignação ou culpa
Dificuldade para se concentrar ou tomar decisões
Ansiedade e excesso de preocupação.

Em alguns casos muito graves, podem ocorrer a psicose puerperal, e dependendo dos sintomas a mãe é orientada a ficar afastada do seu filho enquanto está tratando, e a amamentação acaba sendo contraindicada.

É importante a mãe saber que depressão puerperal não é sinônimo de fraqueza ou falta de carácter, mas sim uma doença que necessita de ajuda médica e tratamento adequado. Assim que os sintomas desaparecem a mãe volta a experimentar todos os prazeres da maternidade normalmente.

Por isso busque sempre ajuda médica.
Por Dr. Bruno Jacob

Instagram: @drbrunojacob
www.facebook.com/drbrunojacob

PLACA


Comentários
1
Compartilhe este post
Pin It

07 dicas para viajar com bebê nas Férias

2017: Sete dicas para quem vai viajar com bebê nessas férias

VIAJAR COM BEBÊ

07 dicas para viajar com bebê nas Férias

Olá mamães fim de ano chegando, vai viajar com bebê, trago algumas dicas para você saber como se organizar com a viagem

Pois afinal de contas fim de ano é a época perfeita para viajar em família, porém viajar com bebê exige algumas preparações para garantir assim uma viagem sem surpresas.

Do desconforto dentro do avião a contatos de emergência e caixinha de remédios, Dr. Jofre Cabral, pediatra e neonatologista da Perinatal, dá algumas dicas e soluções para os problemas mais comuns que podem acometer quem está planejando colocar o pé na estrada pela primeira vez com o bebê. Confira!

Pediatra da Perinatal ajuda na preparação da bagagem dos pequenos aventureiros

1) No avião

Nos procedimentos de decolagem e pouso é comum que a criança sinta a pressão no ouvido e isso lhe cause desconforto. “O movimento de sucção ao mamar, geralmente, é o suficiente para aliviar esse problema. Caso a criança continue reclamando, fazer calor no ouvido, com a própria mão ou uma cobertinha, para diminuir essa pressão,”.

2) Farmácia

Dr. Jofre sugere uma consulta antes da viagem para ver se o bebê precisa de algum medicamento específico. “Para os casos mais comuns, é recomendado um antitérmico e um termômetro para febre, mordedores para os dentinhos, soro fisiológico, creme para assaduras, filtro solar, pinças pequenas para o caso de farpas ou ferrões de insetos, pomadas cicatrizantes, gaze, tesourinha, esparadrapo para feridas e remédio para gases. Antibióticos são desnecessários e todos os medicamentos prescritos precisam ser transportados juntos com suas receitas”.

3) Sol e estrada

“Para crianças acima de seis meses de idade é sempre importante aplicar o filtro protetor solar e respeitar os horários de exposição segura ao sol – antes das 10h e depois das 16h. Caso ele seja um pouquinho mais novo, não pode usar protetor e, por isso, o cuidado é ainda maior. Leve um chapéu, fique na sombra e não permita que o bebê fique exposto por mais que 15 minutos. Em viagens de carro, é bom cobrir as janelas para evitar que o sol atinja o bebê. Para viagens a locais frios e nevados, roupa adequada e manteiga de cacau, para proteger os lábios”.

4) Emergências

Para evitar sustos, o médico sugere levar o telefone do pediatra e dos contatos de emergência, não esquecer a carteirinha do plano e ter conhecimento dos hospitais mais próximos da região em que ficará hospedado. “Também sugiro que as mães saibam fazer soro caseiro para o caso de desarranjos intestinais”. A receita recomendada pelo UNICEF é: uma medida rasa de sal da colher padrão para duas medidas rasas de açúcar em um copo com água. A colher padrão é distribuída gratuitamente nos postos de saúde e farmácias populares.

5) No hotel

Dr. Jofre sugere também que a mãe fique atenta às cozinhas dos hotéis, para verificar a possibilidade do preparo rápido de refeições específicas para a criança ou ainda se permitem que a mãe possa preparar a comida do bebê. Em relação à amamentação, a orientação é não carregar o leite. “O melhor meio de transporte do leite é dentro do seio. Mas, caso ela deseje levar, lembro que o leite deve ser conservado na geladeira por 24 horas. Se congelado, dura até 15 dias”.

6) Na estrada

Em viagens de carro, a segurança fica em primeiro lugar. “A cadeirinha com o cinto de segurança adequado é fundamental para o transporte do bebê e a mãe deve retirá-lo dela com o carro totalmente desligado. Os pais devem também garantir que haja cintos disponíveis para todos da família e programar paradas a cada três horas para olhar o bebê ou a cada vez que ele reclamar”.

7) Turistando

Na cidade, o pediatra dá algumas dicas para o dia. “Bebês mais novos podem ficar tranquilamente no canguru ou no sling, desde que estejam confortáveis. Já crianças mais velhas, terão mais liberdade se caminharem. Recomendo também aos pais que levem um edredom pequeno ou uma toalha mais grossa para o caso de querer colocar a criança na grama ou na areia. Dessa forma, podemos evitar surpresas como mordidas e/ou picadas de animais e insetos.”.

Fora isso, uma ótima viagem em família!

Fonte : Assessoria de Imprensa


Comentários
0
Compartilhe este post
Pin It

Atenção Mamães!

Volte ao Corpo Que Tinha Antes da Gravidez

Mamãe, somente nós que somos, sabemos como é! Não é verdade?

Ser mãe é uma alegria em muitos sentidos, mas em alguns pontos nossa vida fica mais difícil.

Depois da gravidez, nosso corpo já não é mais o mesmo e ficamos sem tempo para cuidar dele. Afinal, temos um anjinho para amamentar de 3 em 3 horas, cuidar da casa, do relacionamento, da família e assim segue a nossa longa lista de preocupações e tarefas.

Agora, e se eu te dissesse que é possível você voltar ao corpo que tinha antes da gravidez, sem ter que sair da sua casa e nem deixar de lado nenhum dos seus à fazeres, isso te interessaria?

Se a resposta for “Sim”. Clique aqui e cadastre seu e-mail para ter acesso imediato.

GRAVIDEZ

Na Melhor Forma Depois da Gravidez

Imagina você poder manter a sua auto estima lá no alto, atingindo aquela forma física tão sonhada, sem ter que se matar em academias, sem dietas malucas que ou deixam agente louca ou “morta de fome”.

Imagina as outras mães ou suas amigas te elogiando e com aquelas caras de chocadas, te perguntando e querendo saber, “Como você está com esse corpo, com filhos e todas as tarefas de uma mãe?”. Seria incrível, não seria?

Cuidar de nós mesmas é uma necessidade básica! E pode confiar, é exatamente isso que o programa Mamãe Sarada faz na vida de uma mãe…

Ele torna possível este anseio que temos de nos sentir bem com nosso corpo.

Clique aqui e cadastre seu e-mail para conhecer agora!

A Gabriela Cangussú, mãe de dois, um lindo casal, elaborou esse programa de mãe para mãe, pensando em todas as suas necessidades, nele você irá encontrar:

-Exercícios para trabalhar os músculos mais afetados pela gravidez: Barriga, bumbum, coxas e lombar.

-Exercícios que não prejudicam a amamentação e proporcionam um emagrecimento saudável.

E AGORA A MELHOR PARTE!

-Exercícios modernos de alta intensidade de apenas 14 minutos! E que ainda continuam queimando calorias por ate 40 horas após o término da atividade! Vale mais do que 1 hora correndo na esteira.*

*Estudos comprovam que exercícios de alta intensidade, levam a um período de recuperação, em que seus músculos continuam consumindo energia, ou seja, queimando calorias, para se regenerarem, por um período de até 40 horas. O que torna o gasto calórico maior do que correr durante 1 hora na esteira.

Está na dúvida ainda? Então, agora assista esse vídeo que ele fala por si só:

Espero ter sido útil para você, aqui não tem milagre, então se estiver 100% comprometida em melhorar sua forma física, clique aqui e cadastre seu e-mail para conhecer o programa.

E deixa seu comentário aqui embaixo para eu saber o que você achou da dica!


Comentários
7
Compartilhe este post
Pin It