Resultados para: parto

Amamentar mesmo estando gravida pode?

Confesso que quando me perguntaram se grávida pode amamentar? Na fan page do blog também tive duvidas, não tinha parado para pensar nessa situação tão natural que muitas mulheres passam na gestação, está grávida e amamentando seu outro filho, tal situação me fez ir de cabeça numa resposta a essa dúvida.

Grávida pode amamentar

Grávida pode amamentar?

E a resposta a essa pergunta é sim grávida pode amamentar, pois não existe numa contra indicação médica para esse fato.

O que ocorre agora é que as ações hormonais agora são redirecionadas ao desenvolvimento do novo bebê a caminho, podendo assim ser diminuído a produção de leite o que é normal, a grávida então tende a se alimentar melhor para manter o equilíbrio, também pode ocorrer do leite mudar o sabor por influência dos hormônios da gestação.

Muitas crianças depois que a mãe engravida deixam de mamar, pois nessa idade a criança mama mais pelo conforto, uma opção da amamentação prolongada. Outra situação é que está grávida e amamentar pode causa na mãe cólicas devido as contrações uterinas, mas essas contrações não prejudicam o bebê.

Grávida pode amamentar?

E quando o bebê nascer vai dar pra amamentar o mais velho ?

Pode sim amamentar até o parto e também amamentar as duas crianças de idades diferentes ao mesmo tempo, porém eu pessoalmente não recomendaria e nem o faria pela consequência desta opção, pois é necessário levar em conta o ciúme do mais velho com relação a dividir o peito com seu irmão mais novo. Pode ocorrer também o desgaste da mãe com o esforço de amamentar duas crianças, além de existir o sentimento de ela ficar ansiosa por não poder dar a mesma atenção ao filho mais novo que deu para o filho mais velho.

Então amamentar durante a gravidez não tem problema algum, mas termos que levar em conta depois do nascimento do outro filho, pois o emocional da mãe e do filho mais velho pode ser sim abalados. Essa é uma opinião pessoal depois de ler sobre o assunto, em caso de dúvidas sempre procure orientação ao médico que te acompanha.

Linda sexta bjs

 


Comentários
4
Compartilhe este post
Pin It

Você está pronta para ser mãe

Quase todas as mulheres tem o desejo de ser mãe, mas essa decisão depende muito da realidade e da circunstância de cada pessoa. A decisão de ser mãe não pode se tornar uma obsessão entre o casal, nem tão pouco em uma circunstância sem consequências. Ter um filho é sim ter muitas responsabilidades e compromisso, uma decisão que deve ser tomada de maneira pensada e com tranquilidade.ser mãe

Em algum momento da vida a decisão de ser mãe circula pela cabeça de muitas mulheres, algumas não duvidam, e é o que sempre sonho em ser mãe, outras desejam, mas sentem medo ou insegurança, e outras, simplesmente não querem tanto quanto as demais, ter um filho. Em todo caso, a decisão de ser mãe só depende de você.

Mas o que é necessário para ser mãe

Para ser mãe, não se requer título nem experiência. Tão pouco é uma escolha que chega com um manual de instrução. Ninguém nasce preparado para ser uma mãe. Apenas, as mulheres que estão tentando ser mães podem obter informações como saúde, educação, gravidez e parto, seja na televisão, na rádio, ou através da internet. Inclusive já existem algumas escolas para pais.

A experiência de cada mulher em ser mãe, é única, pessoal e incomparável. Uma mãe com ou sem marido, biológica ou adotiva, será sempre uma mãe, sem diferenças.

Você está preparada para ser mãe

Para se tomar essa decisão converse com seu parceiro, pois é com ele que você vai compartilhar cada momento da gravidez, essa relação entre os pais é importante para o bebê,  outro fato importante é o custo, ter um bebê aumenta a dispensa e sim custa caro, recomendo que tenham uma economia e planejar essas dispensas.

Manter uma boa alimentação antes e durante a gravidez é muito importante, se planeje para o melhor momento da sua vida sem estresse, sem tensão pois momentos assim podem acarretar a ansiedade e depressão.

Ouvir relatos de experiência de outras mães, é muito recomendável. No entanto, lembre-se cada pessoa é cada pessoa e cada um tem sua orientação então se precisa segui orientações que sejam do seu obstetra.

 Quando uma mulher está determinada de que quer ser mãe, nem sempre consegue na primeira tentativa. Mas, não deve deixe que a insegurança invada sua vida. Tenha paciência. Tudo chega quando tem que chegar. Não se desespere nunca. Eu passei por isso e recomendo que foque em outras atividades.

É importante que busque um bom médico, para ter boas orientações sobre sua fertilidade, possíveis riscos, alimentação, saúde, etc. Não rejeite nenhuma explicação. Assim se sentirá mais segura. Se desejar ter um filho, não acumule dúvidas.


Comentários
1
Compartilhe este post
Pin It

Amamentar e trabalhar – É possível?

Amamentar e trabalhar – É possível?Amamentar

O tema da Semana Mundial de Aleitamento Materno de 2015 é: Amamentar e trabalhar – Para dar certo o compromisso é de todos! Eu decidi transformar o slogan numa pergunta: Amamentar e trabalhar – É possível?,  visando promover uma reflexão mais aprofundada sobre a questão, o que é tão complexa que fez a própria WABA (Aliança Mundial para Ação em Aleitamento), entidade promotora da iniciativa em nível mundial, retomar um tema já abordado em 1993, quando o enfoque foi Amamentar – Direito da mulher no trabalho! Passados 22 anos, o que será que mudou? Me digam, gostaria de ouvir vocês!

O apoio para manter a amamentação, cerne da campanha, pode ser realizado de muitas formas. Tradicionalmente, a família oferece suporte à mulher que está amamentando. Porém, em cada sociedade, em particular com a urbanização crescente, é necessário ampliar este círculo de apoio, que pode ser formado por profissionais de saúde capacitados, conselheiros em amamentação, líderes da comunidade, amigas que também são mães e pelos pais e/ou companheiros.

Os Grupos de Mães (ou Grupos de Aconselhamento em Amamentação) apresentam uma ótima relação de custo e benefício. São uma maneira produtiva de se chegar a muitas mulheres de forma mais frequente. Podem ser organizados por qualquer pessoa da comunidade que esteja capacitada no apoio às mães. Geralmente, são estas pessoas treinadas e disponíveis que abrem canais de comunicação para canalizar perguntas e temas de amamentação que as mães tenham interesse. A chave para uma boa prática de amamentação é ter apoio diário permanente em casa e na comunidade. Um exemplo de um Grupo de Mães bem sucedido é o Grupo Aleitamento Materno Solidário do Facebook. Atualmente, o grupo reúne mais de 6 mil membros e conta com o auxílio de profissionais aptos a responder às dúvidas das mães

Amamentar

#EuApoioLeiteMaterno
#SemanaMundialDeAleitamentoMaterno2015

Dr. Moises Chencinski

Com toda certeza, eu não sou o único profissional que fala sobre aleitamento materno. Com toda certeza, eu não sou a pessoa que mais conhece sobre aleitamento materno.

E daí, né?

Com tudo o que tem sido feito até hoje, e apesar de termos muitos profissionais que falam sobre aleitamento materno, muitas pessoas que conhecem mais sobre o aleitamento materno do que eu e com tanta gente qualificada divulgando os benefícios do aleitamento materno, as últimas estatísticas que temos nos mostram que:

01) Taxa de aleitamento na sala de parto – 65%;

02) A média de aleitamento materno exclusivo no Brasil é de 51 dias;

03) Apenas 41% das crianças estão em aleitamento materno exclusivo aos 6 meses;

04) A média de duração de aleitamento materno no Brasil é de 11 meses e 20 dias.

https://euapoioleitematerno.wordpress.com/


Comentários
3
Compartilhe este post
Pin It

Puerpério

O que diz o dicionário: Puerpério; substantivo masculino, período que decorre desde o parto até que os órgãos genitais e o estado geral da mulher voltem às condições anteriores à gestação.

Assim que o bebê nasce é necessário um tempo para adaptação da nova vida, aonde a mãe e o bebê tem para se conhecerem, e fortalecerem os vínculos, com o nascimento do bebê, vem o desconhecido e, muitas vezes, o solitário puerpério (primeiros meses após o parto). Para algumas mulheres, é apenas momentos de alegrias pela chegada do bebê, mas para outras é  considerado um período difícil e que parece não ter fim.

 Com o puerpério a vida fica de cabeça para baixo, tudo é um misto de informações e sentimentos e junto a esse sentimento tem um bebê que depende exclusivamente de você. Imaginem ainda, além de todas as mudanças por conta do novo membro da família, ter de lidar com afazeres domésticos, recepcionar visitas, se manter apresentável e a casa organizada.

Nesse período, o ideal é afastar-se das tarefas e obrigações do dia-a-dia, tentar fazer todo o repouso possível, ambiente calmo e muito contato pele a pele, os protagonistas são a mãe e o bebê. Você “precisa viver o que precisa viver em termos emocionais”  é importante ter apoio, suporte sem ser debilitada, nem diminuída”

Algumas dicas para passar pelo puerpério

Esquecer o relógio e diminuir o contato com o exterior;

Viver plenamente esses momentos;

Dá tempo ao tempo para seu corpo;

Pontue num diário todos os seus pensamentos e sentimentos;

Aproveite todos os momentos para descansar e relaxar;

Aceitar a transformação da identidade feminina.

Vá estabelecendo a sua própria rotina;

Lembre-se uma mamãe saudável e tranquila é garantia de bebê feliz! Caso se sinta demasiado triste, ou seja, durante mais do que alguns dias, e se suspeitar de uma depressão, fale com o seu médico.


Comentários
10
Compartilhe este post
Pin It