Resultados para: parto

Alimentos que as Grávidas Não Podem Comer

Quando estiva grávida das meninas, tinha muito medo de comer alguns alimentos como ovos mal passado e salsicha crua, pois me falaram que não podia, na época nem fui olhar, mais preferir prevenir do que remediar, mais será mesmo que tem restrições para as grávidas, e em busca dessa verdade fui pesquisar.

Sim tem alimentos que podem ser nocivos a saúde das mamães e bebês e é melhor evitar, alguns nutricionista  cortam do cardápio das gestantes alguns alimento não para impedir delas comerem e sim para terem cuidados redobrado evitando assim qualquer problema durante os nove meses.

Trago alguns alimentos para deixar fora da geladeira e dispensa das gestantes

 photo file-tilapia_zpsrvskqlh7.jpg

Carnes e peixes crus

A carnes brancas, e vermelhas tem proteínas e tem que está no cardápio das grávidas, porém esses alimentos consumidos cruos ou mal passadas não prejudica o desenvolvimento do bebê. O problema é a possível contaminação por bactérias e protozoários, que depende da armazenagem e da procedência.
 photo mi_972318157724318_zpswtbaiygq.jpg

Cafés e bebidas energéticas

Bebidas estimulantes,  no caso o café, causam o aumento da frequência cardíaca em todo mundo que as consome. Porém, as gestantes já possuem essa frequência alterada, devido ao desenvolvimento do feto e à maior circulação de sangue dentro do corpo. Investir neste tipo de bebida pode contribuir para que a pressão arterial vá às alturas, o que pode ser prejudicial para o desenvolvimento da criança. Além disso, as bebidas energéticas possuem vários conservantes em sua composição. Como não existem estudos que comprovem a segurança total de seu consumo, melhor passar longe!
 photo Cha-Verde-650 - Copia_zpsyy22qxfi.jpg

Chás

Toda a erva pode ter, em grandes quantidades, substâncias prejudiciais, inclusive inflamatórias ou que afetam o trato gastrointestinal, podendo provocar diarreias. Os chás comuns, como erva-doce, camomila e hortelã, podem ser tomados sem preocupação, desde que moderadamente. Chás mate, verde, branco, preto, canela e sene devem ser evitados.
 photo e201Bebida-alcolica-d-mau-hlito - Copia_zpso1svtomf.jpg

Bebidas alcoólicas

O  álcool está associado à malformação fetal. Ele pode ultrapassar a barreira placentária e prejudicar o desenvolvimento do bebê ou evoluir para uma gravidez prematura.
 photo f73510b91889_zpskbvnuhn2.jpg

Embutidos

 Alimentos como presunto, salsicha, salame e mortadela são cheios de conservantes. Todo alimento artificial deve ser evitado, devido à presença dessas e de outras substâncias químicas, como os estabilizantes. “Esses componentes são contraindicados durante a gravidez porque, neste período, o sistema imunológico da mulher se torna mais ativo. Daí que o organismo pode reagir exageradamente aos compostos químicos, o que resultaria em uma alergia.
 photo 53b2cc01f2969_zpsx3hzm0sl.jpg

Ovos

 Mal fritos ou cozidos os ovos trazem bactérias que podem causar  entre complicações no e parto prematuro,sem contar que provoca um grave quadro de diarreia e vômitos. E a gravidez é um péssimo momento para enfrentar uma crise dessas. Mas, você não precisa cortar os ovos do seu cardápio. A dica é consumi-los fritos ou cozidos, desde que a gema esteja dura. E nunca negligencie as receitas que levam ovo cru em sua composição e que, portanto, também podem representar riscos. É o caso das maioneses.
 photo soda1025-e1319633915792_zpssedtojyz.jpg

Refrigerantes

 

Podem causar estufamento gástrico, mas não são proibidas Em casos de gastrite ou refluxo, o problema pode ser intensificado.  E as versões zero e light possuem muito sódio, que podem mexer com a pressão arterial, o que é particularmente prejudicial na gravidez.

Esses alimentos consumidos de maneira exagerada, ou de maneira errada podem sim provocar partos, prematuros e complicações no parto o melhor é mesmo ter cuidados e uma boa alimentação na gravidez.


Compartilhe este post
Pin It
A candidíase na gravidez é muito comum, já que nesta fase o pH vaginal fica alterado, facilitando a contaminação por fungos como o da candidíase.

A resposta é simples e vai deixá-la aliviada se estiver grávida e com candidíase. Não! A candidíase na mãe não prejudica o bebê, pois a infecção é localizada na área vaginal da mulher.

No entanto, se você tiver candidíase no momento do parto, há uma pequena chance de contágio quando a criança passar pelo canal vaginal em caso de parto normal.

Se estiver com sintomas de candidíase ou outra vaginite não deixe de avisar o médico para tratar antes de o parto acontecer.

No entanto, se na hora do parto você ainda tiver o problema, AVISE o obstetra (o médico que estiver fazendo o parto), isso poderá evitar que o recém-nascido entre em contato com a infecção.

E qual o problema da infecção por candidíase no bebê recém-nascido?

Esta infecção pode provocar feridinhas brancas na boca do bebê (o famoso sapinho). O problema ainda pode ser transmitido para os seios da mãe por causa da amamentação. 


Dicas Saúde da Mulher
Evite alimentos muito ácidos (limão e outras frutas cítricas e vinagre) quando estiver com sintomas de candidíase, pois eles podem causar sintomas parecidos aos da infecção. 
Se você está grávida e com candidíase saiba que a infecção por cândida não é grave e pode ser tratada facilmente.

 photo Image7_zpsc505836f.jpg
Blog:http://www.blogdemaepramamaes.com/



Compartilhe este post
Pin It
Novo produto para as gestantes traz uma combinação de óleos naturais que proporciona mais elasticidade à pele
A Mustela®, marca de dermocosméticos do laboratório francês Expanscience, apresenta no mercado brasileiro mais uma novidade para cuidados com a pele das mulheres grávidas: o Óleo de Cuidados Antiestrias, que combina óleos preciosos e naturais que nutrem a pele, melhorando a elasticidade cutânea.
Este lançamento da Mustela® amplia a linha 9 Meses da marca, que traz produtos desenvolvidos para acompanhar a evolução da pele ao longo da gravidez e também no pós-parto. São itens com ativos que agem contra os tradicionais efeitos da distensão dos tecidos, hidratam e aumentam a elasticidade da pele prevenindo a aparição de estrias.
Com textura leve e rápida absorção, o Óleo de Cuidados Antiestrias possui formulação exclusiva, com uma associação de ativos patenteados de origem natural e específicos para o cuidado com as estrias.  Entre os ingredientes, destaque para os óleos de abacate, semente de romã, baobá e o tradicional óleo de rosa mosqueta que, combinados, hidratam e mantém a firmeza da pele além de deixar um delicioso perfume suave e floral.
O Óleo de Cuidados Antiestrias é enriquecido, ainda, com o Elastrorregulador e o Lupeol, que estimulam a produção de elastina em mais de 34% e multiplicam por até 4 vezes a produção de colágeno.  Com o produto, as futuras mamães reforçam a elasticidade da pele, evitando o relaxamento e, consequentemente, o aparecimento de estrias.
A novidade, assim como os outros produtos da linha 9 Meses da Mustela®, oferece elevada tolerância hipoalergênica e proporciona segurança para a mamãe e também o bebê, inclusive no período de amamentação.  Com base em ingredientes naturais, é livre de parabenos, fenoxietanol e outros conservantes de risco. 
O Óleo de Cuidados Antiestrias, versão de 105ml, chega à consumidora final com preço sugerido de R$ 85,00.
Sobre a Expanscience
Criado em 1950, Expanscience é uma companhia farmacêutica que atua em cinco áreas de negócios, sendo dermocosmética, reumatologia, dermatologia, dentária, e preparação de ativos cosméticos. Sua sede está localizada em Paris, na França e a companhia conta com cerca de 900 colaboradores no mundo. Com presença em mais de 80 países e 12 filiais, a Expanscience iniciou sua operação no Brasil em janeiro de 2013 com a comercialização de produtos Mustela, marca líder em países da Europa no segmento de dermocosmético para bebês e mamães. 
SAC: (11) 33314640

Compartilhe este post
Pin It

Saiba mais Sobre a Bolsa Rota

 photo pregnant_2424357b_zps0fb80e99.jpg
Olá
Pessoal hoje vamos falar um pouco sobre a Bolsa Rota, vocês sabe o que é? Bolsa
rota é o rompimento prematuro da bolsa amniótica, antes da dilatação ou das contrações.
O quadro é preocupante, pois pode indicar a presença de bactérias
causadoras  de infecções no útero e  até no bebê.Existem controvérsias quanto ao
tempo de espera nessa situação.O ideal é que o obstetra acompanhe o
desenvolvimento do parto individualmente, através da análise do líquido
amniótico.No geral, se após o rompimento a dilatação progredir cerca de 1cm por
hora, é possível administrar a situação com antibióticos, prevenindo a
infecções. Sem a dilatação, o feto no canal de parto ou se forem identificados
sinais de sofrimento fetal, a cesárea deve ser considerada.
Lindo dia beijokas da Nanda

Compartilhe este post
Pin It