10 motivos para não ter filhos

Olá mamães talvez você chegou aqui e pensou mais como pode uma mãe relatar dez motivos para não ter filhos, mas garanto que a leitura vale a pena

Muitas pessoas querem ter um filho é instinto, já outras não querem e ponto cada pessoa tem que ser respeitada afinal de contas cada um sabe o que é melhor para si  e é melhor só ter um filho quem realmente quer.

De acordo com a pesquisa feita, esses casais relataram 10 motivos para não ter filhos. Vamos a eles.

10 motivos para não ter filhos

1) Filhos custam caro: Alimentação, educação, roupas e criação é preciso ter dinheiro.  Pode até ser porém não é mais caro que um apartamento de luxo, um carro do ano ou uma viagem de Cruzeiro dando a volta ao mundo.

2) Parto é dói demais: sentir dor, vê seu corpo mudando drasticamente, aumento de peso, sentir contrações são alguns dos motivos citados pelas pesquisadas que não pensam em gravidez. “A gestação e o parto acabam com o corpo da mulher”, diz a terapeuta de casal Sylvia Faria Marzano, diretora do Instituto ISEXP. E, neste caso, não é só a mulher que não quer ver seu corpo deformado, mas o companheiro dela também. “Parto é dor, sangue e cansaço. A anestesia local é de grande valia mas, mesmo assim, está longe de ser algo agradável”, afirma a escritora Corine em seu livro.

3) Medo de não ser um bom pai ou mãe: “Há quem não acredite em sua capacidade de educar e amar uma criança”, afirma a psicóloga Patrícia Spada. Medo de errar no futuro faz com que nem se inicie a aventura da paternidade.

4) Priorizar a carreira: “Ser bem-sucedida em uma profissão, ser reconhecida pela sua capacidade acarreta uma grande realização pessoal e filhos iriam atrapalhar a ascensão profissional”, conta a psicóloga Sueli Castillo.

5) Fim da vida sexual: o amor pode não acabar com a chegada dos filhos, mas há quem diga que o desejo desaparece. “O atentado estético contra o corpo da mulher a faz, durante vários meses, parecer um bicho grande, disforme e engordado à força. Muitos homens até acham bonito, mas nem por isso têm tanta vontade assim de fazer amor com elas”, diz Corine.

6) Evitar erros do passado: “Pessoas traumatizadas pela separação conjugal dos pais querem que os possíveis filhos não venham a sofrer desilusões como as que passaram”, diz a terapeuta Sylvia.

7) Fim da vida social: por alguns anos, criar filhos significa abrir mão de festas, reuniões sociais, passeios e viagens com os amigos.

8) Pressão da família e dos amigos: “Ter filhos é uma decisão que depende de possibilidades internas de cada um e não pode ser para atender a expectativa de outros”, afirma a psicóloga Silvana Martani.

9) Ter atenção exclusiva do companheiro: Há casais que sentem dificuldade em dividir o amor com outro, mesmo que seja um filho.

10) Simplesmente não quer: é uma opção e não uma obrigação imposta pela sociedade. “Não ter tempo para se dedicar a um filho, querer viver em função de si mesmo e não estar disponível para mudanças e novas rotinas são alguns motivos que levam a esta opção”, afirma a psicóloga Walnei Arenque.

Essas fotos me fizeram rir muito!

NÃO TER FILHOS

10 motivos para não ter filhos

Slide_350214_3756570_free

NÃO TER FILHOS

slide_350214_3756574_free

slide_350214_3756575_free

slide_350214_3756577_free

slide_350214_3756579_free

slide_350214_3756580_free

slide_350214_3756581_free

slide_350214_3756582_free

slide_350214_3756586_free

slide_350214_3756588_free

slide_350214_3756590_free

Reportagem via A Critica

 


Comentários
1
Compartilhe este post
Pin It

Filho segue os passos dos Pais

Olá mamães, qual o filho não quer seguir os passos do pai ou da mãe, eu mesmo tenho orgulho dos meus, e quem nunca ouviu dos filhos a famosa frase “mamãe quando crescer vou ser que nem você.” Hoje quero falar sobre a Angélica apresentadora de televisão que deixou sua carreira para cuidar da família e não se arrepende disso.

PASSOS

Depois de um mês do acidente de avião que a Angélica sofreu com o marido e os três filhos ela vê hoje o acontecimento como uma passagem enriquecedora.

O ditado é velho e diz que “há males que vêm para o bem”. Aos 42 anos, Angélica tem motivos para acreditar nisso.

— É bem aquela história de você dar mais valor às coisas, sabe? Começamos a ter um olhar que não tínhamos antes, a dar importância ao que realmente vale a pena. É uma gratidão com a vida, uma alegria de estar aqui. Fortalecemos os nossos laços. O acidente vai fazer aniversário e nós estamos celebrando a vida — diz a loura, que não faz a linha Pollyana, de acreditar que tudo está sempre às mil maravilhas: — Viajar ficou mais difícil, mas continuamos. Não dá para parar. Acho que ficou mais complicado para mim do que para eles. Sempre tive receio de avião, nunca me senti confortável. Depois das crianças, então, fiquei mais medrosa.

Angélica diz que a filha caçula, Eva, deve seguir seus passos

Passos

Embora não queira interferir nos rumos profissionais dos herdeiros, a apresentadora acredita que a caçula, de 3 anos, tem tudo para seguir seus passos.

Comecei a trabalhar cedo, mas era tímida. Eva sou eu grande. Tenho até medo de falar e o universo escutar. Adora foto, ama se produzir…

Angélica é segura. Fala com calma. A maturidade é um dos benefícios que ela credita à idade e à maternidade.

 Você precisa tomar decisões, educar, dar exemplos — destaca a loura, que elege a relação com os filhos a maior realização de sua vida: — É um amor louco, uma entrega! É muito mais do que eu pensava. Não sou daquelas que só mandam fazer coisas. Sou bagunceira, parceira, adoro brincar com eles.

Não sinto falta do que vivi (faz uma pausa). Quer dizer, eu acho que tenho saudade daquele carinho do público. Mantinha um contato forte com a plateia. Tenho tanto afeto por minha história… — pontua.

O maridão faz questão de se mostrar completamente apaixonado:

— Eu vivo para fazê-la feliz. Angélica é meu motor de popa. Sempre apoia tudo o que faço. Vibra! Ao mesmo tempo, é meu porto seguro e me faz querer estar em casa o maior tempo possível. Juntos, nós somos muito melhores!

Ter uma família feliz é a base de tudo, pois aonde reina a felicidade, existe amor verdadeiro nesse lar.


Comentários
0
Compartilhe este post
Pin It

A Criação com Apego Meu Voto é Sim

Olá mamães, hoje quero falar de um assunto que amo e apoio a criação com apego, mais o que seria essa criação, qual sua importância, espero com esse texto trazer um pouco dessa maravilhosa criação. Então vamos lá

CRIACAO COM APEGO

Pais que praticam criação com apego

 

O que é criação com apego?

Criação com apego é um termo dado a um conjunto de ferramentas que ajudam os pais a criar vínculos com seus filhos, através do atendimento consistente e amoroso das necessidades do bebê. Não impõe regras, mas, sim, transmite orientações fundadas em investigações sérias e conhecidas por serem eficazes em auxiliar crianças a desenvolverem ligações seguras.

Se a criação com apego não segue regras, então sou guiada apenas pelo coração e amor de mãe. Ainda vou além, para mim é uma criação com muito afeto, ativa, consciente, na qual os pais e cuidam, zelam pelo bem-estar e, essa consequência, leva ao desenvolvimento integral da cria.

Momentos com seu filho de demonstram criação com apego

Preparando para a gestação, nascimento e criação;

A amamentação é uma das maneiras mais primitivas que uma mãe pode iniciar um vínculo de apego seguro com seu bebê;

Respondendo com sensibilidade, atendendo apropriadamente às necessidades do filho;

Usando o contato afetivo, abrace, aconchegue, faça carinhos, se possível use o sling;

Garantindo um sono seguro, física e emocionalmente, bebês possuem necessidades à noite (assim como de dia); seja devido à fome, solidão, medo, frio ou calor. Faça cama compartilhada se assim desejar, coloque o berço ou a cama em seu quarto;

Provendo cuidado consistente e amoroso, é a presença consistente do pai ou da mãe com amor para o desenvolvimento do bebê e para o vínculo de apego seguro;

Praticando a disciplina positiva, os pais devem tratar seus filhos da maneira que eles desejam ser tratados;

CRIACAO COM APEGO

5 motivos para aderir à Criação com Apego

  1. Ajuda na tarefa de criar os filhos.
  2. Benefícios à criança e à família, no ponto de vista emocional, cognitivo e neurocientífico.
  3. Fortalecimento do vínculo de pais e filho, incentivando, sobretudo, vínculos fortes e saudáveis entre pais e filho. E isso não se limita apenas ao período em que o filho é bebê.
  1. Amadurecimento emocional. Com a Criação com Apego espera-se a formação de filhos autoconfiantes e empáticos, exatamente porque a eles foi dada total segurança emocional.
  1. É baseada em estudos sérios. Não são conselhos e nem regras. A Criação com Apego transmite orientações fundadas em investigações sérias e conhecidas por serem eficazes em auxiliar crianças a desenvolverem ligações seguras.

Comentários
1
Compartilhe este post
Pin It

Como ensinar seu filho a obedecer

Olá mamães, sei que fazer o filho obedecer não é tarefa fácil, para nós mães, brigamos, nós estressamos diante da teimosia dos pequenos.

Em muitas situações eles querem disputar quem manda em quem, e parece que o seu filho sempre vence.

OBEDECER

Ensinar o filho a Obedecer

O que acontece

Quando você diz a ele para fazer alguma coisa que ele não quer, ele a ignora.

Quando você chamar ele dez vezes, e ele nem sai do lugar.

Quando você diz a ele para não fazer alguma coisa que ele quer, ele faz birra.

Quando você pede pra ele parar de correr para não cai, e é em vão.

Muitas vezes já me perguntei se isso é só uma fase, que devo simplesmente esperar que ela cresça para melhorar, mas como mãe de uma adolescente, confesso que ainda existem teimosias, apenas mudam os tipos.

Vida de mãe não é fácil, nunca termina e é igual a jogo de vídeo game, passamos para a próxima fase e as novas dificuldades

Mais como poderei ensinar meu filho a obedecer sem bater e de uma maneira que eles me escutem. Bom não tive essas informações quando tive a Isabelle, mais hoje que tenho venho fazendo o meu possível com mãe de duas.

O por que o pequeno não quer obedecer

Quando  o bebê é recém-nascido, é necessário está a disposição todo o tempo, atender as necessidade do bebê, o que é normal e apropriado, pois um bebê precisa de constante atenção dos pais.

O tempo passa e sendo tratado meses dessa maneira, é normal que o filho imagine que seja o centro de tudo na casa. Com mais ou menos 2 anos a realidade bate a sua porta, ele acreditar que os pais tem que obedecer a ele. E isso é um choque, e as reações são birras, testam a autoridade e recusam a obedecer.

Ai entra os pais no que devem fazer, ser firmes usar a autoridade de pais, falando com clareza o que o filho deve fazer, mais muitas vezes somos ignorados, o que podemos fazer?

Tome a liderança. É necessário tomar a liderança. Por isso, você precisa exercer sua autoridade, mas de forma equilibrada.

Aplique a disciplina. Disciplina é um treinamento que produz obediência , seja na forma de regras, ou castigos. Naturalmente a disciplina jamais deve ser injusta ou agressiva.

Seja claro. Não apenas peça aos filhos que os obedeçam, por que essa estratégia pode diminuir a autoridade do pai ou da mãe e dar abertura ao filho para avaliar o pedido e decidir se o aceita ou não.

Seja firme. Se você disser “não”, seja firme e não volte na sua decisão. Cumpra com sua palavra. Não fique negociando com seu filho nem entre numa discussão sem fim sobre por que você tomou essa decisão.

Seja amoroso. A família não é uma democracia nem uma ditadura. Ela é uma instituição de Deus aonde os filhos são orientados de forma amorosa a fim de se tornarem adultos responsáveis.

Disciplinando seu filho você o ajudará a ter certeza de que você o ama


Comentários
3
Compartilhe este post
Pin It