Disidrose em Bebê Como Tratar

A semana passada recebi a noticia da dermatologista que minha caçula estava com Disidrose,  nunca tinha ouvido falar sobre, ela relatou que era ansiedade emocional e me passou uma poma e anti alérgico farei o uso por 10 dias e voltar na médica para fazer exames para saber direito o que é isso realmente, no inicio fiquei em choque e depois desesperada, agora lendo e colocando a cabeça no lugar estou procurando entender mais sobre isso e vendo como proceder.

O que é disidrose

É caracterizada pelo aparecimento de erupções cutâneas de caráter reincidente. São formadas vesículas, isoladas ou confluentes (aglomeradas), com conteúdo viscoso. Entende-se por vesículas, lesões da pele de conteúdo líquido, com até um centímetro de diâmetro. Acima de um centímetro são chamadas de bolhas. As lesões acometem, exclusivamente, as mãos e os pés. Comida contaminada (estragada) ou água contaminada são casos bem comuns em crianças de 08 a 15 anos.
Quando o líquido sofre ressecamento, formam-se crostas e, quando as lesões evoluem, formam-se escamas. Portanto, conforme a fase evolutiva da disidrose, será observada a presença de vesículas, crostas ou escamas.
O desconforto gerado pelas lesões é extremamente variado, embora a coceira (prurido) seja uma queixa frequente.
A disidrose pode ser completamente assintomática, coçar pouco, coçar intensamente, apresentar ardor quando há fissuras na pele, e assim por diante.
disidrose
Causas
 
Infecções fúngicas, como algumas micoses cutâneas podem se manifestar com lesões disidrosiformes.Nesse caso, o fungo está presente dentro das vesículas.
A disidrose pode apresentar-se também desabitada (isto é, sem fungos), mas que está à certa distância de um foco primário (outro tipo de lesão) habitado por fungos. Pacientes com micoses nas unhas dos pés ou nos espaços entre os dedos (“frieira”) e que apresentam disidrose nas mãos, como consequência desse foco. Uma vez curada a infecção no pé, as lesões de disidrose das mãos desaparecem automaticamente e sem necessidade de tratamento.
A dermatite de contato também é um fator de relevância.
Trata-se de um quadro provocado por substâncias que, em contato com a pele, por mecanismos alérgicos ou simplesmente por irritação, pode desencadear a erupção.
A disidrose é um padrão individual de reação. Ou seja, uma pessoa desenvolve uma dermatite de contato por um determinada substância e apresenta lesões disidrosiformes. Já uma outra pessoa, em contato com a mesma substância, desenvolve uma dermatose completamente diferente, que não a disidrose.
Não é a natureza da substância de contato que determina se a lesão é ou não disidrose e sim o padrão de reação de cada pessoa.
A dermatite atópica, uma doença inflamatória crônica da pele, de causa desconhecida e frequentemente associada à bronquite asmática e à rinite alérgica, se manifesta por diferentes tipos de lesões, sendo que a disidrose pode ser uma manifestação comum da dermatite a tópica.
Também o estresse e alterações emocionais são citados frequentemente como causa de disidrose.
Tratamento
As formas terapêuticas da disidrose variam conforme a causa. Um problema é a dificuldade para se detectar com precisão a verdadeira causa da disidrose. Algumas vezes, mesmo quando identificada a causa, sua eliminação é difícil ou até mesmo impossível, como no caso dos fatores emocionais. Dependendo da causa, o tratamento é medicamentoso.

É essencial a avaliação médica para realização do tratamento adequado.


Compartilhe este post
Pin It
Com o verão o calor aumenta e a brotoeja vem
junto não tem pra onde correr, minha pequena sofre muito com isso, quando ela
era mais novinha usava pasta d’água,  hoje
uso uma pomada dermatológica mais prefiro a pasta, e os pequenos sofrem, mais
vamos saber o que é brotoeja, e tem vários tipos.

O que é Brotoeja?

É uma erupção cutânea relacionada ao calor que
afeta principalmente crianças pequenas. A brotoeja é, também, o nome popular da
miliária — uma dermatite inflamatória causada pela obstrução das glândulas
sudoríparas, o que impede a saída do suor.

Causas

As causas mais comuns da brotoeja incluem:
Dermatite causada pelo uso de fraldas é uma
irritação de pele causada pela umidade prolongada e pelo contato da urina e
fezes com a pele.
A dermatite das fraldas fúngica é causada por
um tipo de fungo chamado cândida que também provoca afta na boca.
Erupção por calor ou brotoeja é causada pelo
bloqueio dos poros que levam às glândulas sudoríparas. É mais comum em crianças
muito pequenas, mas também pode ocorrer em qualquer idade, especialmente em
clima quente e úmido.
Eritema tóxico pode provocar manchas vermelhas
planas (geralmente com uma protuberância branca, tipo espinha, no meio) que
aparecem em até metade de todos os bebês. Essa brotoeja raramente aparece
depois de 5 dias de idade e geralmente desaparece entre 7 a 14 dias e não há
com que se preocupar.
A acne infantil é provocada pela exposição aos
hormônios da mãe. Protuberâncias vermelhas, às vezes com pontos brancos no
centro, podem ser vistas no rosto de um recém-nascido. A acne geralmente ocorre
entre 2 e 4 semanas de idade, mas pode aparecer até 4 meses após o nascimento e
durar 12-18 meses.
Crosta láctea (dermatite seborreia) provoca a
formação de placas gordurosas, escamosas e ásperas no couro cabeludo, que
aparecem nos primeiros 3 meses do bebê. Geralmente desparece sozinho, mas
alguns casos podem necessitar de tratamento com medicamento.
Urticária são vergões vermelhos que parecem se
mover pelo corpo. Por exemplo, se você desenhar um círculo para marcar um dos
vergões, algumas horas depois esse círculo não terá mais o vergão, mas haverá
vergões em outras partes do corpo. Eles diferem em tamanho e formato. A
urticária pode durar algumas semanas. A causa é incerta.
 photo 8b3ec96861_zpsnv15ail8.jpg
Eczema é uma doença de pele na qual as áreas
ficam secas, escamosas, vermelhas (ou mais escuras que a cor da pele normal) e
coçam. Quando permanece por um longo tempo, as áreas se tornam espessas. Muitas
vezes está associado a asma e alergias, embora possa frequentemente ocorrer sem
nenhuma dessas doenças. O eczema muitas vezes é de família.

Compartilhe este post
Pin It

Sempre levo minhas  princesas em consultas pediátricas mensais,  e estamos acompanhando a hérnia que a Gabi tem e um pequeno cisto( dele falo depois), a pediatra pediu que se não desaparecesse  teria que fazer a operação com 2 aninhos, bom ela já tem 18 meses e nada de sumir então esse mês estarei conversando com a pediatra a respeito da cirurgia, mais afinal de contas o que é hérnia, suas causas e o que fazer.

O que é uma hérnia?

A hérnia é uma pequena saliência que, em bebês, geralmente aparece perto do umbigo ou da virilha (inguinal) quando um órgão ou tecido está fora do lugar. Ela surge em uma abertura da parede muscular do bebê, que deveria estar fechada.

Nas primeiras semanas de gravidez, esta abertura é bem grande, para que os intestinos se formem do lado de fora do corpo da criança. No fim do primeiro trimestre, contudo, os intestinos voltam para dentro do abdome e a parede muscular se fecha, deixando um pequeno orifício só para a passagem do cordão umbilical.

Um tipo menos comum de hérnia em bebês, que pode se desenvolver durante a gestação, é a hérnia de diafragma — órgãos do abdome acabam entrando na caixa torácica, o que pode causar insuficiência respiratória grave no recém-nascido.

Hérnias de diafragma exigem cirurgia nas primeiras horas de vida (ou até dentro do útero). Hérnias inguinais são corrigidas cirurgicamente, sem urgência mas também sem demora. Já as hérnias umbilicais raramente exigem intervenção.

HERNIAUMBILICAL

Hérnia umbilical essa é a que minha filha Gabi tem :

Mais comuns em meninas do que em meninos, as hérnias umbilicais ocorrem em entre 10 e 20 por cento das crianças, em bebês nascidos prematuros e em bebês negros. Na grande maioria das vezes, a condição não causa dor e não é prejudicial à criança.

Caso seu filho tenha uma hérnia umbilical, é possível que você note que a área em volta do umbigo incha quando ele chora ou faz força para evacuar, por exemplo. Isso normalmente acontece por causa da pressão de dentro do abdome.

É necessário fazer algum tratamento para tratar a hérnia umbilical?

Embora possam parecer um tanto assustadoras — em casos raros chegam até a ficar do tamanho de um limão –, as hérnias umbilicais geralmente não representam problema. O importante é que a área não esteja sensível ou inchada demais e que a saliência seja mole.

Se o bebê estiver com algum desconforto, fale com o pediatra o mais rápido possível, porque algumas hérnias de fato exigem tratamento cirúrgico, com uma operação simples, que normalmente não exige nem que a criança durma no hospital.


Compartilhe este post
Pin It

Vê nossos filhos doente, seja qualquer tipo de doença já ficamos preocupadas e muitas vezes desesperadas, e a pneumonia é uma das doenças que mais preocupam as mamães, pois muitas vezes esta doença pode deixar o bebê ou a criança muito debilitada, com febre, e com pouco apetite, por isso é importante você mamãe conhecer mais sobre essa doença, como se prevenir e ter alguns cuidados que podem amenizar o quadro de pneumonia em seu filho. 

Infelizmente, a pneumonia está ficando a cada dia mais comum entre crianças e bebês, ainda mais em tempos de frio, o cuidado deve ser redobrado, crianças que frequentam a creche e escolas também estão mais expostas a pegarem esta doença. 
 photo -pneumonia_zps61b1f934.jpg

Pneumonia em bebês e crianças 

A pneumonia é um termo geral que se refere a uma infecção dos pulmões, os quais podem ser causados por vários microrganismos, entre os quais incluem vírus, bactérias, fungos e parasitas. 
Na maioria dos casos a pneumonia é causadas por vírus, tais como adenovírus, rinovírus, vírus da influenza (gripe), e o vírus sincicial respiratório (RSV). Muitas vezes antes da doença se agravar para a pneumonia, o bebê ou a criança pode ter bronquiolite a Gabi já teve duas vezes  fiz o tratamento em casa e mantive os cuidados, o bronquiolite tem os sintomas parecidos com a pneumonia. 
Muitas vezes, a pneumonia se inicia após uma infecção do trato respiratório superior (infecção do nariz e da garganta), por isso achamos que muitas vezes é apenas um resfriado comum e após 2 ou 3 dias a criança ou o bebê acaba desenvolvendo a doença. 

Quais são os sintomas da pneumonia? 

Caso seu filho fique resfriado, tossindo muito não hesite em leva-lo ao pediatra, os sintomas também podem variar de acordo com a idade da criança. Para ajudar você a identificar a pneumonia, separei os seus principais sintomas que são: 
  • Febre. 
  • Calafrios. 
  • Tosse. 
  • Congestão Nasal. 
  • Respiração rápida e com algum tipo de chiado (em alguns casos, este é o único sintoma). 
  • Vômitos. 
  • Diarreia. 
  • Dor no peito. 
  • Dor abdominal. 
  • Em casos extremos, lábios e unhas azulados. 
  • Falta de apetite em crianças mais velhas, e nos bebês a recusa em amamentar, o que pode conduzir a desidratação. 
Crianças com pneumonia causadas por bactérias geralmente ficam doentes muito rapidamente e começam com uma febre alta repentina e respiração muito rápida. Já as crianças com pneumonia causada por vírus provavelmente, terá sintomas que aparecem de forma mais gradual e menos grave, embora o chiado no peito pode ser mais comum em pneumonia viral. 

Como diagnosticar a pneumonia? 

Durante a consulta, o pediatra observa as condições física do bebê e ouve a respiração com um estetoscópio. Este detecta qualquer som da respiração ou qualquer outro som anormal, como o chiado. Seu bebê vai estar respirando muito rápido para entrar mais oxigênio, porque alguns dos alvéolos pulmonares estão preenchidos com acúmulo de líquido. 
Se o médico achar que seu filho tem pneumonia, talvez irá pedir um raio-x do toráx, uma análise de sangue ou fluido de seu nariz. Para certificar se o seu bebê está recebendo oxigênio suficiente, o médico pode usar um oxímetro de pulso, um aparelho simples (como um clipe ou grampo) colocado no dedo para medir a saturação de oxigênio. 

Qual o tratamento para a pneumonia? 

Na maioria dos casos, a pneumonia pode ser tratada com antibióticos administrados por via oral em casa. O tipo de antibiótico utilizado depende do tipo de pneumonia, em alguns casos pode ser que o médico peça para que seu filho faça inalações com remédio. 
Pode ser necessário a hospitalização para tratamento de crianças ou bebês que tenham pneumonia causada por Bordetella, ou outro tipo de pneumonia bacteriana que causa febre alta e dificuldade respiratória, ou nos casos seguintes: 
  • Oxigênio suplementar, se necessário. 
  • Se a criança têm infecções pulmonares, que podem se espalhar para a corrente sanguínea. 
  • O bebê vomita e é incapaz de tomar medicamento por via oral. 
  • A criança têm episódios recorrentes de pneumonia. 

Como posso evitar a pneumonia? 

A prevenção da pneumonia em crianças e bebês pode ser feita através das seguintes medidas: 
  • Vacinar a criança com todas as vacinas indicadas no calendário básico de vacinação da criança. 
  • Amamentar o bebê exclusivamente até os seus primeiros 6 meses de vida. 
  • Dar o suplemento alimentar de vitamina A e D no 1º ano da criança, segundo a orientação do pediatra. 
  • Oferecer uma alimentação saudável e bastante variada quando a criança começar a comer alimentos sólidos. 
  • Dar a vacina da gripe anualmente para evitar que a criança fique resfriada ou gripada. 
  • Vestir a criança de acordo com o clima do dia. 
  • Manter a criança longe da poluição e de pessoas fumando. 
  • Evitar ambientes fechados, cheios de gente, principalmente no outono e no inverno. 
  • Evitar o contato com indivíduos com gripe ou resfriado. 
Todos o cuidado é pouco pois assim as chances da criança adoecer e vir a desenvolver uma pneumonia são reduzidas. Outra dica fundamental é manter as boas práticas de higiene, lave sempre as suas mãos e as do seu bebê com frequência para evitar espalhar os germes. Não compartilhe copos ou utensílios com os outros. Limpe regularmente todos os lugares que acumulam muitas bactérias como: telefones, celulares, brinquedos, maçanetas, interruptores), esses objetos acumulam muitas bactérias. 
Se você ou seu companheiro tem o hábito de fumar fume fora de casa, e peça aos visitantes a fazerem o mesmo. Estudos mostram que crianças que convivem com fumantes, adoecem com mais frequência e são mais propensas à pneumonia, infecções do trato respiratório superior, asma e infecções de ouvido. 
Mas nós mamães sabemos que mesmo com todo o cuidado que temos, infelizmente a pneumonia acaba aparecendo, o importante é ficar bem atenta e se o seu filho está resfriado a mais de 3 dias e com muita tosse procure um pediatra imediatamente, todo cuidado é pouco. 

Compartilhe este post
Pin It