photo Alimentos-que-soltam-o-intestino-do-bebecirc_zpsdbfc9b33.jpg
Minha filha Isa, sempre teve o intestino preso e Gabi hoje estar assim.Os bichinhos sofrem pra caramba. Já passei horrores com a Isa. Ela praticamente não fazia cocô se comesse comida com farinha ou um simples pedaço de goiaba. Basicamente, não tinha muito o que fazer, não tinha o que dar, e toda vez que  era uma crise de intestino preso muito forte, era ao pediatra que eu tinha que recorrer. 

Depois que descobrir  que isso causa intestino preso nunca mas ela comeu uma goiaba até hoje , e aprendi a equilibrar a dieta dela de forma a soltar um pouquinho o intestino dela. Basicamente, o que eu tenho percebido sobre o assunto é que há duas formas de fazer isso: uma é oferecer alimentos já reconhecidos por suas propriedades laxantes e a outra é prestar atenção à reações dos nossos pequenos e identificar quais são os alimentos que fazem com que o intestino deles trabalhe melhor. 

Trago uma lista de alimentos que são reconhecidos por soltarem o intestino preso nas crianças (e adultos) e outros que não são tão conhecidos assim por essa função, mas que aqui em casa tem um efeito ótimo.  


Frutas: 

Ameixa seca: acho que é o alimento mais reconhecido por soltar o intestino. Ele pode ser oferecido através de chazinho, quando o bebê é menor (Modo de preparo: deixar duas ameixas de molho num copo de água de um dia para o outro), ou a própria fruta mesmo, quando o bebê já se alimenta de sólidos. 
Mamão: depois da ameixa, outro famoso por soltar o intestino é o mamão mas nem a Isa nem a Gabi aceitam muito bem. 
Manga: também ajuda a soltar o intestino.  
Laranja: é reconhecida por seus efeitos laxantes, com a Gabi as vezes funciona. 

Fibras: 

Aveia: também possui propriedades laxantes e aqui a dica é oferecer junto com mamão (cuidado ao oferecer com banana, pois a banana é conhecida por prender o intestino). 
Linhaça: também pode ser misturada a alimentos laxativos para  potencializar os seus efeitos. 

Grãos: 

Feijão, lentilha, ervilha: são conhecidos por funcionarem como laxativos também. 

Legumes: 
Milho verde: aqui em casa funciona como um laxante e tanto! E várias amigas também já me relataram o mesmo. 
Cenoura: aqui também funciona como laxante, apesar de não ser um legume reconhecido por possuir essa propriedade. 
Abóbora: também é boa,  (mas nem o efeito da abóbora, nem o da cenoura, se equiparam ao poder do milho.) 
Sementes: 
Gergelim: tem ótimo efeito laxante. 

Óleos/azeites: 
Azeite de oliva: tem um excelente efeito laxante sobre o intestino . 

Água: 

Muitas vezes, a criança está com intestino preso por falta de água no organismo. Por isso, sempre que você estiver enfrentando esse problema, ofereça muita água ou outros líquidos. 
  
Importante: 
Sempre antes de oferecer aveia e linhaça para seu filho, converse com o pediatra se ele autoriza a inclusão desses alimentos na dieta da criança. 
Crianças que mamam apenas leite materno podem ficar períodos maiores sem evacuar sem risco à sua saúde.  
Lembre-se que o indicado é a criança alimentar-se exclusivamente de leite materno até seis meses e, depois, contarem com o leite materno na sua dieta até os dois anos de idade. Além de todos os benefícios já conhecidos, isso ajuda no funcionamento equilibrado do intestino. 
Se a criança se alimenta de fórmula, veja com o pediatra a possibilidade de trocá-la, caso continue  acontecendo de o intestino  ficar preso. 
Faça massagens no abdômen (circular em volta do umbigo) e movimento de bicicletinha com as pernas para auxiliar no melhor funcionamento do intestino. 
Sempre que tiver na dúvida se o seu filho está com o intestino preso ou não e o que deve ser feito para amenizar ou resolver o problema, converse com o pediatra. Esse post traz algumas dicas sobre o que já passei,  mas somente um profissional poderá dar a orientação adequada.

Compartilhe este post
Pin It

Saiba mais Sobre a Bolsa Rota

 photo pregnant_2424357b_zps0fb80e99.jpg
Olá
Pessoal hoje vamos falar um pouco sobre a Bolsa Rota, vocês sabe o que é? Bolsa
rota é o rompimento prematuro da bolsa amniótica, antes da dilatação ou das contrações.
O quadro é preocupante, pois pode indicar a presença de bactérias
causadoras  de infecções no útero e  até no bebê.Existem controvérsias quanto ao
tempo de espera nessa situação.O ideal é que o obstetra acompanhe o
desenvolvimento do parto individualmente, através da análise do líquido
amniótico.No geral, se após o rompimento a dilatação progredir cerca de 1cm por
hora, é possível administrar a situação com antibióticos, prevenindo a
infecções. Sem a dilatação, o feto no canal de parto ou se forem identificados
sinais de sofrimento fetal, a cesárea deve ser considerada.
Lindo dia beijokas da Nanda

Compartilhe este post
Pin It

Crosta Láctea Você Sabe O Que é ?

 photo Couro-cabeludo-ressecado1_zps079ae1b2.jpg
Crosta
láctea ou dermatite seborréica  são  “caspinhas” na cabeça do bebê são inofensivas.
Mas, como podem causar incômodo como coceiras e irritações são recomendadas
tratá-las o quanto antes.
Tanto a
Isa como a Gabi tiveram esse problema com 1 meses de vida. É muito comum que
ele surja em bebês recém-nascidos e até os 3 anos de idade. Não é contagioso e
nem se produz por falta de higiene.
“A
crosta láctea, também conhecida por dermatite seborréica afeta o couro cabeludo
dos bebês. É uma afecção comum da pele e do couro cabeludo que se apresenta
quando as glândulas sebáceas produzem grande secreção de gordura, causando
escamas, crostas ou caspas brancas meio amareladas, nas áreas mais gordurosas
da cabeça do bebê.”
O
tratamento é super simples. Confira:
– 30
minutos antes de lavar a cabeça do bebê, aplique óleo mineral vende na farmácia
no couro cabeludo com algodão e faça uma leve massagem para que as crostas
desgrudem. Se as crostas estiverem muito grossas, aplique 1 hora antes.

Durante a lavagem, pentei o cabelo do bebê com um pente de dentes suaves, em
todas as direções. Isso vai fazer com que as crostam saiam com mais facilidade.
É importante enxaguar bem a cabeça do bebê, para evitar qualquer resíduo de
produtos.
– Repita
esse procedimento até que as “caspinhas” desapareçam, o que geralmente ocorre
em poucos dias.
Caso não
haja melhora, consulte o pediatra para evitar possíveis complicações.
Beijos!


Compartilhe este post
Pin It